Para dar continuidade ao tema apocalíptico proposto pela colega, tenho que voltar ao passado. Já em 2009, a marca Reserva desfilou no São Paulo Fashion Week em favor do entendimento entre os membros de diferentes crenças, objetivando a paz definitiva entre os povos. Culturas Judaicas Ortodoxas e Africanas se misturam na passarela através de suas crenças e costumes.

Na época, Rony Meisler, o estilista da marca, declarou que “o homem Reserva é pós-apocalíptico, um verdadeiro sobrevivente pela sua capacidade de ser feliz, de entender as diferenças entre os povos e de amar o próximo.” A comunidade judaica Etíope, composta de judeus ortodoxos negros foi um exemplo vivo para Rony.

Diferente dos judeus ortodoxos que vestem cores escuras, eles são adeptos de roupas coloridas e costumam rezar ao som do reggae. A imagem de felicidade e prosperidade dos etíopes e a sua capacidade de aceitar diferentes culturas foi o forte para a construção da coleção.

O que usam estes homens

A calça saruel é realmente o hit do inverno e se confirma também para o masculino da Reserva. Suéteres e casacos amplos em tricô são pesados e ultracoloridos. Os fios ganharam tingimentos irregulares e foram tecidos no ponto meia malha. Jaquetas pesadas foram trabalhadas nas técnicas de matelassê e aplicações de vinil nos recortes e bolsos.

Maquiagem traduz trajetória árdua

Figura de sobrevivente do fim do mundo: aspecto empoeirado, suado e displicente. O blush terroso ainda deu aspecto de rostos queimados e maltratados pelo sol.

Curiosidade

O personagem Impostor, do Pânico na TV, invadiu o desfile e se passou por modelo. Calmamente, aplaudindo e sorrindo, percorreu toda a passarela e saiu intacto. Se não foi combinado, foi o fim do mundo para seguranças e organizadores envolvidos.  Confira o vídeo com todos os looks e a aparição do intruso, nos últimos minutos:

Por Eduardo Pedroso

Anúncios